É preciso mudar o foco da audiência para realçar a marca pessoal

Há poucas semanas atrás na casa de um casal amigo quando terminamos de assistir um vídeo de um palestrante que falava sobre pessoas boas e pessoas más, iniciamos um debate sobre se de fato, no mundo atual existiriam mais pessoas do bem ou mais pessoas do mal. Logo chegamos a um consenso de que hoje há muito mais pessoas boas do que ruins, para isso bastar analisarmos ao nosso redor e verificarmos que não temos tantas pessoas consideradas ruins no nosso convívio.

Ceu e Inferno

Mas diante desta constatação logo surgiu um novo debate. Se é verdade que existem mais pessoas do bem no mundo, porque este mundo não está tão bom como gostaríamos. Entre diversas respostas uma soou como conclusiva, o problemas é que apesar de haver muito mais pessoas do bem, estas não praticam com assiduidade o bem. E isso não que dizer que elas praticam o mal, mais a audiência delas é focada em outras frequências que não a deste bem que gostaríamos de ver.

Quantas pessoas que você considera como boas, externa constantemente gestos ou ações que revelem algo de grandioso, algo digno de representar uma referência para um mundo melhor? Existem eu sei, mas são poucas, muito poucas, não é?

A grande maioria das pessoas, e me permita dizer que estamos incluídos, tem sempre alguma desculpa para não emitir constantemente esta frequência do bem, é a chamada dissociação cognitiva. Nos costumamos dissociar os nossos gestos do contexto. Veja um exemplo:

O que tem de mau comprar um recibo a um médico para pagar menos imposto de renda, afinal, porque pagar imposto se este vai ser roubado,

Isso é um exemplo bem comum de racionalizar o equívoco.

Mas isso não é nada, que mal tem uma besteirinha desta.

Pode ser uma “besteirinha”, mas imagine, só no nosso país, duzentos e vinte milhões de pessoas agindo em diversas situações como esta, racionalizando, até com certa lógica, seus equívocos. Sabe o que obtemos?  Um país cheio de gente boa que não está funcionando para o bem coletivo. E não adianta imaginar que o meu e seu “pouquinho” não vai causar diferença, porque a grande maioria está agindo do mesmo jeito.

Logo o papel para mudar esta audiência do pais e do mundo, é o cumprimento do projeto ético pessoal de cada um. E sabe o que é melhor em tudo isso, é que pôr em prática esta responsabilidade, aplicar o seu senso de humanidade, de igualdade e ética social, gera destaque como pessoa, pois aos olhos de todos, você torna-se uma pessoa boa agindo para o bem, e com isso sua audiência muda e valoriza a sua marca pessoal.

Nos trabalhos que realizo junto a profissionais que buscam valorizar a sua marca pessoal para conseguirem destaque e autoridade profissional, percebo claramente que aqueles que compreendem a necessidade de alinharem suas atitudes e ações para um bem, e de fato, enveredam por este caminho, conseguem seu objetivos muita mais rápido do que outros que focam toda energia de transformação apenas nas competências técnicas

Copo enchendo

Uma marca forte é perfeitamente capaz de influenciar o seu público, portanto você que sintoniza esta frequência do bem, e põe em prática com clareza ações que são congruentes com seus valores e propósito, faz com que sua marca pessoal seja um forte catalizador para direcionar a audiência do seu público para este foco do bem.

Para ser bom e fazer o bem é preciso ser forte, é preciso se conhecer, acreditar em você e principalmente ser audacioso para pôr o seu projeto em prática, se desconectar da regra do “concordar para ser aceito no clube” para não destruir muitas vezes algo do seu projeto de ser melhor, por influências de alguns. É preciso tomar partido, é preciso que se decida ser melhor..

Na divina  comédia, Homero chega para Dante e diz:

Calma! Eu tenho um aviso para lhe dar. Os lugares mais quentes, os mais tenebrosos aqui do inferno, estão reservados. Reservados para aqueles espíritos que se mantiveram neutros em tempo de crise.

O que é neutralidade? É você poder fazer algo, saber, por exemplo  que precisa fazer o bem, mas se omiti. Isto é muito pior do que quem está no mal completo, que não age porque não sabe que deve agir, não tem consciência.

Nos temos nossos desejos e sonhos, mas estes só se tornarão algo que lhe entregue felicidade plena, se forem conquistados pelos caminhos das coisas corretas. Por isso ao fazer suas escolhas quando partir para atingir seus objetivos, sua prosperidade, sua realização profissional e pessoal, busque ser um produto alinhado com esta essência de respeito e ética, pois isso irá gerar o brilho necessário para elevar a sua marca pessoal a uma audiência sem fim e com foco em um mundo melhor.

Lembre-se é você que faz as suas escolhas, então por que não ser melhor?

Pense nisso!!!

Você sabe tem interesse em saber como anda a sua marca pessoal hoje? Clique no link e faça o teste para descobrir. Clique aqui para o teste.

Se interessou-se por este artigo e acha que um ou mais amigos seus precisariam ter conhecimento sobre o assunto, compartilhe para este amigo ou para a timeline de suas redes sociais usando os botões específicos que aparecem ao redor.

Eu sou Lula Moura especialista em carreira, realização profissional e reforço de sua marca pessoal, para fazer contato comigo use o formulário de contato ou o meu WhatsApp.

Comentários no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *