Como consolidar a evolução na carreira

Lula Moura - Evolução de Carreira

Evoluir na carreira é um objetivo desejável, e porque não dizer, primordial para qualquer profissional, independente do setor ou atividade.

Mas quantos profissionais tem ao menos uma pequena estratégia, ou plano de ação para transformar este desejo em realidade?

O conhecimento técnico na área que atua é essencial para entrar no mercado, desempenhar bem as suas funções e até destacar-se no seu meio profissional é importante, mas é necessário muito mais para conseguir uma real progressão profissional.

E ao contrário do que muitos pensam, evoluir profissionalmente não acontece apenas com a melhoria das habilidades e do conhecimento na área que atua.

É preciso também ter uma evolução no nível de consciência do seu posicionamento no papel que desempenha em sua organização.

Ter a clareza do que a organização espera de você como profissional é fundamental para a partir daí, ver se é possível ou não se preparar para entregar este papel de uma forma mais estratégica.

Desenvolver esta habilidade de se posicionar como um produto de valor, é a chave para o sucesso da área profissional e até da vida pessoal.

Para que esta “chave” seja construída, o autoconhecimento, a clareza dos valores pessoais, as forças e os talentos precisão estar alinhados com os seus papeis profissionais para que assim, a valorização de sua marca pessoal seja direcionada para a sua carreira.

Pode parecer simples, mas a consolidação deste conceito precisa ser bem planejada, executada e avaliada a cada momento para que possa estar alinhada com uma boa estratégia para a sua evolução profissional.

O problema é que não formos “treinados” se quer, para perceber isso.

O modelo de formação padrão nos ensinou apenas a valorizar as competências técnicas, ou seja, o foco no fazer.

Mas o grande diferencial hoje passa a ser também, o como fazer bem, e principalmente entender bem o “porquê” fazer.

Daí a necessidade de se ter um planejamento de carreira levando em consideração esta ótica, pois é ela que irá fazer a grande diferença na consolidação de sua evolução profissional.

Este aparente pequeno detalhe faz toda diferença entre ter um caminho para o sucesso, e ficar pulando de galho em galho modelando ideias de outros, e táticas soltas que normalmente só levam a frustrações.

Não que elas não prestem ou não funcionem, o problema é que elas precisam ser muito bem conectadas a uma estratégia volta para um objetivo bem traçado.

São por estas e outras razões que os profissionais que resolvem investir em ajuda profissional para buscar este autoconhecimento e clareza, colhem com frequência os melhores resultados.

Não que os investimentos em qualificações técnicas e acadêmicas não tenha valor, longe disso, mas será que não seria interessante fazer estes investimentos que demandam bastante recursos financeiros e principalmente de tempo, em algo que realmente possa impulsionar sua carreira de fato?

A sua solução está em você, e talvez já pronta para gerar resultados e você nem saiba.

Pense nisso!!

Quero empreender! Como começar a agir?

Lula Moura - Pensamento Empreendedor

Cópia de Cópia de Cópia de QUERO EMPREENDER

Hoje tenho a convicção de que o principal erro, e que desencadeia uma série de outros erros em cascata, é encarar o papel de empreendedor com a visão padrão de uma profissão tradicional.

O caminho padrão de uma profissão > Escola > Faculdade > Profissão

Eu preciso ter uma formação para ter uma profissão.

É claro que este é o modelo mais comum para a maioria das pessoas, o problema é quando a pessoa quer empreender partindo deste mesmo raciocínio.

Então ela começa olhar para formações, certificados para depois tentar encaixar tudo isso no mercado.

Só que no mundo dos negócios isso simplesmente não funciona.

As formações e respectivas certificações não vão fazer ninguém comprar nada de você fundamentalmente por isso.

O mercado vai comprar de você o valor que entrega, e não importa se você tem formação, curso de especialização, MBA ou coisa parecida.

O que vale é o formato e a entrega das soluções que seus clientes procuram.

É claro que precisa saber entregar isso, e cursos que ajudam a melhorar esta capacidade de gerar estas soluções tem valor.

Mas não é o título, como a grande maioria pensa e ostenta em suas apresentações pessoais.

Essa abordagem invertida gera inúmeros problemas para os aspirantes a empreendedores, que não se deram conta disso ainda.

Não partem para ação de entrega de suas soluções, em busca de mais formações para sentirem segurança, que na verdade, só virá com a prática e quando estas entregas começarem a acontecer.

Por isso muitos gastam rios de dinheiro com coisas que não irá ajudar no processo para ter clientes, buscando títulos e formações atrás de formações.

O foco fica muito voltado naquilo que sabem ou pretendem fazer, e esquecem de olhar com mais cuidado para aquilo que o mercado realmente deseja, e que com certeza, não será uma certificação ou título estampado em uma porta, cartão de visita ou bio de alguma rede social.

Por mais louco que possa parecer, as pessoas que se julgam menos qualificadas, tem mais facilidade de criar um negócio de sucesso, justamente por não terem este pensamento influenciado.

Elas conseguem simplesmente olhar para o mercado, entendê-lo sem julgamento e conceitos e pré-requisitos necessários para atuar nele.

Acham que tem uma solução, começam a entregá-la e vão fazendo o negócio acontecer, e aos poucos vão se aprimorando, e aí sim, buscando evoluções através de formações, mas desta vez, com o foco voltado para o negócio.

Para empreender é preciso ter a clareza da real transformação que o seu produto irá entregar para o seu cliente, e focar toda energia para entregar esta transformação da melhor maneira possível.

Se deseja empreender e não tem ideia do que fazer e por onde começar, peça ajuda.

Pode ser a uma pessoa experiente em uma área que possa lhe interessar, um bom amigo que tenha autoridade para lhe ajudar, ou um mentor profissional para lhe ajudar a ter clareza para encurtar os caminhos e evitar desperdícios de tempo e dinheiro.

Qual a melhor opções para evoluir na carreira?

Lula Moura - Escolhas profissionais

Certo dia vi uma enquete no Linkedin postada por um dos grandes Gurus da consultoria de carreira, com a seguinte questão:

“Qual fator você gostaria de melhorar dentre estas 3 opções?”

1 – Conhecimentos técnicos
2 – Resultados
3 – Imagem profissional

Peço que faça agora a sua opção, qual escolha seria a sua?

Vou agora postar o resultado da enquete que encerrou com 7.996 votos.

Conhecimento técnico ficou com 41%, Resultados 20%, Imagem profissional 38%.

E aí!?

O que acho do resultado da enquete? Bateu com a sua escolha?

Bom! Vou fazer a minha análise.

Vamos imaginar a sua carreira. O que você acredita que pode fazê-la evoluir baseado nestes três fatores?

Para agilizar esta análise vamos adotar o seguinte padrão:

Vamos fazer cada um destes três fatores ficar em alta enquanto os outros dois caírem, e com isso fazer uma análise de sua carreira frente a uma visão organizacional.

Cenário 1 – Conhecimento técnico muito alto, resultados e imagem profissional em baixa.

Neste cenário o seu currículo é uma referência, suas formações são inúmeras, você tem os fundamentos de tudo voltado a sua profissão, e é tido na organização como o Cara que sabe tudo da área, mas os seus resultados para esta organização e sua imagem como profissional não são bons.

Você acha que a sua carreira vai decolar, você será promovido?

Não vai!!!

Acredito que com este cenário, nem muito tempo irá passar na organização.

Conhecimento sem prática efetiva não vale de nada, é igual a um livro, todo o conhecimento está lá, mas ele não consegue transformar em prática.

Cenário 2 – Imagem profissional em alta, resultados e conhecimentos em baixa.

Neste cenário você é uma cara com boa visibilidade, bem articulado até na alta gestão.

Será que isso será o suficiente para sua carreira evoluir?

Pode até ser, mas nunca de forma consistente.

Com pouco conhecimento e resultados fracos, a sua sustentação não irá resistir a qualquer crise, ou a uma análise externa isenta de relacionamentos pessoais.

Cenário 3 – Resultados em alta, conhecimentos em baixa e imagem profissional em baixa.

Neste cenário você é o cara dos resultados, o papel ao qual lhe foi entregue é realizado.

Há quem diga que ninguém entende como você consegue, por acha que você não sabe de nada, e sua imagem profissional é fraca.

Mas as metas e as entregas estão lá!! Fatos e dados comprovados.

A sua carreira vai decolar?  Você poderá ser o escolhido para um promoção em uma área mais desafiadora?

Sim!

Os resultados atingidos e comprovados é o que toda organização procura.

Você não é contratado pelo que sabe, você é contratado para entregar o que faz com o que sabe.

Se isso não acontecer, nada vai adiantar para você.

E agora!?

Por que a enquete deixou o “resultado” em último lugar, apenas 20% das escolhas?

Porque o mercado nos induz ao padrão de buscar formação para ser um profissional, e ter uma boa imagem para se dar bem. Só que isso é que todos fazem, e pior sem qualquer estratégia.

É claro que tendo os dois, os resultados têm grandes possibilidades de serem bons, mas não há qualquer garantia disso, principalmente se você não for buscar as formações e a moldagem de sua imagem profissional com foco nos resultados que são precisos.

Não é raro, escutar profissionais comentarem que precisam fazer uma pós graduação para evoluir na carreira, muitas vezes sem qualquer análise focada na sua realidade ou momento profissional.

O saber o que é preciso para sua evolução profissional tem uma conexão direta com o autoconhecimento, com a clareza dos seus verdadeiros interesses e potenciais pessoal.

Só para dá exemplos deste conceito que estou falando, e que claramente não é unânime, vão ai o nome de dois grande profissionais que não tinham formações acadêmicas, imagens profissionais polêmicas mas viraram referencias profissionais:

Bill Gates e Steven Jobs, ambos não eram formados, e o segundo com uma imagem até polêmica, mas o autoconhecimento de seus potenciais e objetivos, os levaram a ter uma capacidade de inovação e entrega que geraram resultados surpreendentes.

Então o que fazer para saber como melhorar profissionalmente?

Se analise, tenha clareza dos resultados que tem que entregar, do que é capaz de entregar melhor, e o que é preciso fazer para melhorar a entrega destes resultados.

E ai sim! Vá em busca das formações técnicas e da melhor forma de mostrar a sua imagem profissional.

Pois o que importam mesmo, são os resultados, são eles que sustentam todo o conjunto.

Antes de escolher o caminho de melhorar sua carreira, faça uma boa avaliação ou uma revisão de sua carreira para obter um diagnóstico preciso de como agir.

O mercado hoje oferece diversa opções para isso, e hoje é o que tem gerado os melhores resultados para os profissionais que escolhem este caminho.

A difícil tarefa de se autoavaliar

Lula Moura - Duvidas profissionais

Seguindo a tendência que algumas organizações estão adotando, resolvi disponibilizar no meu site um questionário para que profissionais interessados possam, eles mesmos, fazerem uma autoavaliação de suas carreiras onlne.

Na verdade, trata-se de um questionário de múltipla escolha com algumas perguntas, cuja respostas são comparadas com a resposta de um profissional que obtém excelentes resultados em sua trajetória profissional, o que em tese, seria uma modelo a ser seguido.

Esta comparação de respostas gera uma nota para o avaliado que recebe uma breve descrição sobre o seu desempenho junto com esta nota, que são enviados para o e-mail.

Só que em seguida há um fluxo de mensagens que são disparadas em função desta nota e de algumas respostas críticas, com informações e fundamentos para direcionar melhor o avaliado para um caminho com mais probabilidade de encontrar um melhor desempenho profissional, abrindo a possibilidade de inclusive se estabelecer uma reunião online comigo para conversarmos individualmente sobre a sua carreira.

É daí que surge uma surpresa!

Nas entrevistas ao vivo, não raro aparecem algumas desconexões entre a maneira como a pessoa se vê, e como ela realmente é com relação as suas entregas profissionais.

Isto acontece porque normalmente temos alguns tipos de filtros, podemos dizer que até são naturais em função da personalidade e momento de cada um.

Quando o profissional é muito vaidoso e confiante demais, a sua autoavaliação normalmente é alta.

Já quando este profissional tem sua autoestima baixa, ou é extremamente crítico, não consegue demonstrar muitas vezes seus bons posicionamentos no resultado de sua autoavaliação, deixando-a a quem do que realmente deveria ser.

Estes filtros levam a erros na autopercepção, que comumente são percebidos no contato direto que revelam as diferenças entre o discurso e as ações.

Só que isso precisa vir à tona e ser mostrado para que haja uma real clareza para a busca dos reais objetivos profissionais.

Daí a importância do papel de um mentor, que em ação de sua atividade plena, tem a missão de servir, e não de agradar.

Entender o que se está fazendo de certo e errado no trabalho, se está realmente feliz com o que faz, saber o que deseja para o futuro, como melhorar a visibilidade do que entrega, e principalmente saber como realizar tudo isso, é o que trará os resultados positivos que todo profissional deseja.

Ir em busca de uma avaliação de carreira que consiga refletir todas as suas verdades, diante dos reais cenários que convive, é o caminho para gerar reflexões para o planejamento de todo o seu futuro profissional.

E este planejamento é o que dará o direcionamento claro e lhe poupará muitos esforços e recursos em busca do sucesso.

Sucesso este, que por incrível que pareça, muitos nem sabem ao certo qual é!

Se tiver interesse em fazer a sua autoavaliação de carreira online e grátis, e só visitar:

FAÇA SUA AUTOAVALIAÇÃO DE CARREIRA GRÁTIS

A armadilha do conhecimento

Lula Moura - Ferrari

Esta foto que representa este tema de hoje, é de onze Ferraris sendo uma preta, e uma BMW na garagem de um único dono!

Incrível, não é?

É muito bonito, gera diversos pensamentos sobre conquistas, sucesso e poder.

Nada contra, até porque os valores de cada um devem ser sempre respeitados.

Agora quando você questiona o porquê prático! Aí sim, aparecem muitas perguntas difíceis de serem respondidas a contento.

A pessoa nunca vai dirigir todos estes carros com frequência, provavelmente não irá emprestar com facilidade aos amigos, e dependendo onde ele resida, dificilmente irá irá pilotar um destes carros a mais de 200 km/h.

E o que isso tem a ver com os temas que sempre abordo por aqui, desenvolvimento pessoal e profissional? Continue lendo “A armadilha do conhecimento”

Você tem uma marca pessoal?

Lula Moura - Você é a sua Marca

Você pode não acreditar, e talvez nem se dê conta disso, mas nesse exato momento, em algum lugar, alguém está se referindo a você, descrevendo você.

São adjetivos que resumem todos os seus esforços, toda sua “batalha”, toda sua dedicação e seus anos de investimentos em você mesmo.

São palavras!!

O terrível é que, muitas vezes, a maioria de nós não tem a mínima ideia de que palavras estão utilizando para nós descrever, principalmente se você nunca se preocupou com isso, nunca ficou atento como você representa a sua marca para as suas relações e para a sua carreira, e como isso pode fazer toda a diferença para o seu sucesso.

Faça a pergunta a você mesmo: Com que palavras você estará sendo descrito? Continue lendo “Você tem uma marca pessoal?”

Qual a postura que você adota na crise?

Lula Moura - Evolução profissional na crise

Dia desses me deparei com uma publicação aqui no Linkedin que dizia que este “novo normal” que todos andam falando, nada mais é, na sua grande maioria, uma antecipação brusca de mudanças que certamente iriam chegar mais cedo ou mais tarde.

De fato há um fundo de razão, mas o problema é que tudo foi muito rápido, e esta velocidade está sendo um dos componentes mais marcantes da crise que estamos vivendo.

Há diversas empresas e pessoas perdidas neste cenário, mas é aí que para muitos, principalmente para aqueles que têm uma alta autoeficácia, que surgem as oportunidades. Continue lendo “Qual a postura que você adota na crise?”

Evoluir é uma escolha, você faz as certas?

Lula Moura - Evolução é uma Escolha

Evoluir é uma obrigação neste planeta em que vivemos, se deixarmos nossa vida à deriva vamos evoluir de alguma maneira, mas partir para esta evolução por opção é alterar o status quo.

Quando estamos incomodados com algo, conseguimos pensar que devemos agir para mudar alguma coisa para melhorar.

O difícil é buscar esta evolução quando estamos em momento de plenitude e abundância.

Mas isso não é naturalmente possível, tendemos a querer aproveitar estas “ondas” dos bons momentos para curtir e se despreocupar, afinal merecemos viver o que a vida trás de bom, não é? Continue lendo “Evoluir é uma escolha, você faz as certas?”

Como as empresas tem usado a avaliação de perfil comportamental

Lula Moura - Avaliação Comportamental

Algumas empresas já adotam como padrão a análise de perfil comportamental nas fases de recrutamento e seleção.

Além disso elas têm adotado a aplicação de testes comportamentais também para montar equipes, e para servir de ferramenta de conhecimento e direcionamento de ações para líderes de equipes.

Isso tudo é possível através de testes cuja assertividade ultrapassa os 97%.

Entre estes testes de análise comportamental, os baseados na filosofia DISC são os mais utilizados e aceitos pelas empresas.

É bom deixar claro que estes testes fundamentados no DISC, não são apenas ferramentas que servem unicamente para as empresas, eles são sim, excelentes para fornecer informações valiosíssimas de autoconhecimento para profissionais. Continue lendo “Como as empresas tem usado a avaliação de perfil comportamental”

Você se preocupa com suas competências comportamentais?

Lula Moura - Competência Comportamentais

Temos por formação padrão, a visão de que o nosso currículo e o volume de formações técnicas são o grande portfólio profissional que possuímos.

E de fato não deixa de ser verdade, pois é o passe de entrada na seleção das empresas, digamos que seja o pré-requisito para entrar no jogo, não é?

Mas logo após, na própria entrevista de seleção, cada vez mais existem testes que buscam encontrar estes perfis comportamentais que serão um dos principais fatores de decisão para a contratação ou não.

Acredito que vocês já devem ter ouvido falar na frase que diz que as pessoas “São contratadas pelas competências técnicas e demitidas pelos comportamentos”. Continue lendo “Você se preocupa com suas competências comportamentais?”